quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Felicidade



A felicidade é um estado de espírito que nos faz transcender por alguns momentos. Felicidade plena só conquistaremos num futuro distante onde está atrelada a nossa evolução e concórdia com as leis naturais da vida. Isso é mais complexo e sempre individual e intrasferível sendo a marcha de cada um. Mas podemos desfrutar desses momentos observados com total delícia de sensações que movimentarão nossas energias revitalizando-as e impulsionando-as para o melhor viver. A felicidade transitória nos favorece e ela vem para nos mostrar que a felicidade plena existe e podemos conquistá-la. Quando começamos a definir nossos sentimentos em sensações que despertam o amor já estamos entrando na primeira fase da felicidade mesmo sabendo (ou não) que este amor ainda é frágil, destorcido e vulnerável.
É o amor equivocado e não é duradouro por ser instintivo. Esse amor é denominado assim por estar classificado nas coisas “fúteis” pela ignorância, passividade e obscuridade a respeito do que realmente é o amor. De qualquer forma, essas sensações transitórias nos fazem bem.
Somos felizes muitas vezes por simplesmente sentir felicidade mesmo sem saber por quê. Com tudo isso ainda desejamos ser felizes mesmo sabendo-a frágil. E, encontramos felicidade num carinho, numa resposta, numa demonstração de afeto de nossos animais, numa manhã, na beleza de uma flor, no acordar e todas essas “felicidades” nos despertam para o bem estar e nos chamam a atenção para o bem pensar e o bem viver. Podemos e devemos valorizar os momentos felizes saudáveis predispondo assim nossa energia para o positivismo e a gentileza para com todos. Ao cultivar a felicidade valorizando cada momentinho que ela nos “pega” cultivamos a energia cósmica que certamente nos abençoará com saúde, elevação e realização. Pela manhã procuremos iniciar nossa oportunidade, trazendo após o agradecimento matinal, uma felicidade sentida no dia anterior (sempre haverá alguma) somemos a ela essa primeira felicidade que é perceber o novo dia, assim multiplicaremos outras felicidades que muitas vezes não percebemos no decorrer do dia levando para o outro dia mais recordações felizes. Não devemos ignorar a tristeza, mas podemos transformá-la em ensinamentos quando as esquecemos no sentimento, mas lembramos no exemplo. Quando estamos felizes, por pequenina que seja essa felicidade, transbordamos otimismo emitindo assim energias boas para todo o Universo que corresponderá devolvendo energias facilitadoras que favorecerão nossas realizações.
Felicidade transitória ou não, agarremo-nos a ela purificando nossas energias e facilitando enfim a marcha para a felicidade completa que é trazida pelo amor pleno e desenvolvida em cada um de nós.
Vamos ser felizes e transbordar felicidade, pois nossas provas são provas e não expiações. Valéria Ribeiro.

Um comentário:

Tereza Telles disse...

Amei!! Tudo a ver com nossa conversa de ontem!!!!
Volto a dizer que somos diferentes pq somos complementares!! O q falta em mim vc completa e vice e versa!!!
bjs irmã!